Reinaldo Lourenço e sua viagem para Suécia

Texto por Rafaela Mattera
Fotos por Letícia Cazarré
 

Em sua coleção anterior, Reinaldo Lourenço fez uma viagem para dentro de si, olhando para seu próprio trabalho. Dessa vez, no desfile de ontem, ele volta a olhar para fora e tem a Suécia como referência.

O desfile se desenrola numa deliciosa e interessante mistura da antítese entre campo e cidade. Passeando pelos campos de trigo do interior ao estilo das ruas de Estocolmo, do povo nativo Saami e o folclore nórdico ao Nordic Museum.

Um sofisticado trenchcoach abre o desfile, dando início a um bloco de peças listradas e de alfaiataria impecável. Entram os casacos oversized inspirado nos Anorak, elegantes, misturando xadrez e veludo. Além de blusas com mangas bufantes, a sobreposição de vestidos com tricôs de gola alta também é intrigante. Toques de vermelho permeiam a coleção, seja nas botas, blusas, jaquetas e colorem até vestidos inteiros; o azul, de forma um pouco mais contida, também está presente. Estampas com tom folk, que lembram os papeis de parede dos anos 70, alegram uma parte do desfile. Suas clássicas listras também tem espaço, assim como seus vestidos de festa. Os plissados dourados fecham o desfile com chave de ouro, literalmente.

Além do styling de George Krakowiak, que deixa as peças ainda mais cool, o desfile é sobre medida, traduzindo a sofisticação das suecas, atrelada ao infalível e preciso olhar de Reinaldo.