Vitorino Campos leva sua coleção para a estratosfera no SPFW.

Entrevista: Leticia Cazarré / Texto: Roberta Graham / Fotos: Vitor Vieira

Vitorino Campos poderia estar próximo da exaustão mental, criando quatro coleções por ano, para sua marca homônima e para a Animale. No entanto, sua cabeça não está aqui entre nós, mas solta em meio às estrelas. O desfile que o estilista acabou de apresentar no SPFW trouxe como tema “Um salto para a estratosfera” - inspirado na obra “Salto no Vazio” do fotógrafo francês Yves Klein. A coleção foi construída para mimetizar todo o processo de atravessar o cosmos, desde o momento de saída da atmosfera - retratado nos primeiros looks - até as lembranças dessa viagem, fechando a coleção. 

Os tecidos foram pensados para provocar sensações. O veludo, por exemplo, apareceu no papel da pele viva, capaz de sentir a adrenalina deste salto. Ainda segundo Vitorino, a liberação cósmica que o inspirou não é necessariamente física mas também pode representar um salto de consciência. 

A modernidade, é fato, já chegou em seu processo criativo. O estilista admite não ter tido dificuldades com o novo calendário da moda e nem mesmo com a liberdade de utilização de outras plataformas pois nunca esteve constrito a tais conceitos. As calças de sua coleção, por exemplo, não obedecem estruturas de tamanho nem de gênero. Trazendo a cintura livre, fechada por uma presilha, ela serve a todos e pode ser usada ao gosto do freguês. Vitorino Campos nos lembrou que, uma vez livres, somos todos iguais.