Golden Hour

Texto e fotos: Carolina Tardin

A aura mágica das quatro da tarde. O sol bate pela janela entre as frestas da cortina. Mansinho, bonito. Carregando melancolia própria. A primeira lembrança que tenho de perceber o quanto eu amo essa luz deve ter sido aos nove anos. Tempos depois descobri que não há nada a ser feito, a não ser admirar. Mais tarde descobri mais - prazer maior que sentir, é congelar essas faíscas douradas em poses de filmes fotográficos.