Zona de conflito.

Fotos por Paul Kurucz
Por Carolyna Araujo

A mulher negra - no Brasil e no mundo - é refém do racismo e da misoginia. Seu martírio inclui uma série de questões como o abuso sexual, a violência doméstica e policial, os esteriótipos culturais, a desigualdade de renda e a falta de serviços de saúde e educação. Sem voz, são sub representadas na política e na mídia. Com voz, têm levado sua luta para as ruas, para as redes sociais, para a música e para os festivais de arte. 

O projeto ZONA foi lançado em 2015 pelo coletivo color rio, fundado pelo fotógrafo franco-húngaro Paul Kurucz. Num estúdio no Humaitá, bairro do Rio de Janeiro, modelos, artistas, atores e drags participaram da concepção de personagens e cenas que se transformaram em séries fotográficas, que têm como referência a estética glam-trash.