Ouro latino e formas européias.

Texto e fotos: Roberta Graham

Igor Mitoraj

Igor Mitoraj

A ArtRio seduziu os cariocas com a possibilidade de ver, de perto, a curadoria de artistas das grandes galerias de arte internacionais. A francesaGalerie Agnès Monplaisir, que vem ao Brasil duas vezes ao ano, para a SPArte e para a ArtRio, esteve presente novamente nesta edição, apresentando três dos artistas que representa. 

O carro chefe da exibição é o trabalho da colombiana Olga de Amaral, que segue ativa no ofício aos 84 anos. Seu intuito é o de representar seu país natal através da mistura de fibras naturais, como o linho trançado e tramado e o papel japonês, a tinta acrílica e metais preciosos como as folhas de ouro, que representam a riqueza material da América do Sul. O MAM, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, vai abrir uma exposição inteiramente dedicada à obra da artista em 2017. 

O escultor francês Daniel Hourdé está presente através da obra de um homem em movimento de queda, acompanhado de duas cabeças - uma delas simbolizando nossas máscaras sociais. Ele, que é adepto do polimorfismo, revela grande conhecimento de anatomia através de suas enormes figuras de bronze, sensíveis à manifestação da forma humana. 

O acervo trazido pela Agnès Monplaisir foi completo pelas esculturas de inspiração greco-romana de Igor Mitoraj. O polonês, radicado na França, faleceu no ano passado e nunca antes teve seus trabalhos expostos na América Latina. Suas monumentais peças de bronze revelam a beleza do corpo humano, o poder e o desejo pela eternidade. 

A ArtRio acontece neste fim de semana, até o dia 02 de outubro. Vale lembrar que as exibições são encerradas às 20h de quinta à sábado e às 19h no domingo.