VITORINO CAMPOS APOSTA NO TOTAL WHITE - SPFWn44

Por Roberta Graham 

Despido da cor e do brilho, Vitorino Campos aposta no branco total durante a SPFWn44 

Você pode ter um look de qualquer cor, desde que seja branco. A inversão da velha máxima de Henry Ford deu o tom da apresentação do estilista Vitorino Campos, que fugiu do modelo tradicional dos desfiles para mostrar sua nova coleção para a imprensa e compradores, na manhã desta terça-feira, 29/08. 

As peças que foram vistas nas araras da PAIR, loja conceito nos Jardins, estão disponíveis para compra no modelo de "see now/ buy now" enquanto o limitadíssimo estoque durar. A grande novidade trazida pelo estilista, no entanto, é um resgate da maneira como se vendia moda no começo do século XX, e promete revolucionar o sistema com o qual estamos acostumados a trabalhar. Os moldes de algumas de suas criações estarão disponíveis no site da marca (www.vitorinocampos.com), a fim de que qualquer pessoa munida de tecido, máquina de costura e habilidade possa reproduzir as peças em casa. Determinados modelos, porém, não puderam ser incluídos por conta de sua complexidade de execução. 

Segundo o próprio Vitorino, existe um processo mais colaborativo e menos industrial na sua marca, um movimento proposital e que muito lhe agrada. "Gosto de sentir que as coisas podem ser mudadas na última hora, que novas idéias podem ser incorporadas. Trabalhando numa escala menor, existe espaço para isso", argumenta ele. 

O branco total dominou a coleção, que buscou a diversidade no uso de diferentes texturas, materiais e acabamentos. Os pespontos em preto e vermelho, além da aplicação de cristais coloridos num tubinho com ares de anos 1960, foram as únicas concessões ao uso da cor. Entre vestidos boêmios com cara de camisola de época e slipdresses com aplicações de brilho ou renda, as mulheres românticas estavam representadas. Foram as ousadas, porém, que encontraram novas peças-desejo para chamarem de suas. Corseletes assimétricos, perfeitos para serem usados sozinhos, ou sobre camisas pelas adeptas das sobreposições, trouxeram acabamento com pesponto e faixas grossas, presas por ilhoses de metal. A estética de camisa força já apareceu anteriormente na passarela de primavera/verão 2017 da Dior, mas a leitura de Vitorino trouxe peças bem adaptadas ao clima brasileiro, além ótimos coringas para styling. Espere encontrá-las em editoriais, muito em breve. 

A pochete gigante, que também fez sua aparição no desfile da Osklen, já começa a despontar como grande tendência da temporada. A estética da peça, que lembra um cinto largo, de tecido grosso, não é fácil de incorporar às produções sem criar um volume indesejado na silhueta. A dica para as mulheres é amarrá-la na cintura, sobreposta às pantalonas de alfaiataria. Já os homens, sempre carentes de um espaço para carregar seus pertences, podem adotar o visual do coldre dos cowboys, deixando-a cair levemente sobre os quadris.