CASA DE CRIADORES 20 ANOS - 42ª EDIÇÃO #DAY1

Por Roberta Maria de Pádua 

Fotografia  Yuri Pinheiro 

Voltamos a mais uma temporada da Casa de Criadores. Dessa vez, comemorando a segunda parte do seu 20º aniversário, em sua 42ª edição. Não é por menos, o evento que é palco de criadores que são verdadeiros expoentes da moda brasileira.Se supera a cada edição e começa seu primeiro dia com desfiles de tirar o fôlego.

A começar por uma "tribo de surfistas" que invade a passarela transformando- a em  uma animada pista de dança, surfando contra o caos e a hostilidade da vida na cidade. O material parece óbvio, neoprene e nylon, muito comuns na produção de peças esportivas voltadas para a prática do surf. Sob shapes amplos e uma linha de óculos de sol feitas exclusivamente para para o desfile, em parceria com a marca Chilli Beans, Felipe Fanaia, mostra sua habilidade de trabalhar harmonicamente com cores tão variadas que por um menor descuido poderia causar um efeito visual ruidoso. Mas, o estilista tem feito isso com maestria desde coleções anteriores.

Com a coleção HATERS, Diego Fávaro  faz uma crítica aos diversos tipos de ataques virtuais que acontecem nas redes.  Para isso ele traz referências do militarismo, roupas de combate e uniformes de proteção radioativa. Sob peças sarja e o conforto da malharia.

" mundo está cada vez mais virtual, não trocamos mais olhares, e isso faz com que pessoas mal intencionadas, atacam sem você saber o motivo, e muitas vezes, a identidade dela."

Renata Buzzo, que estreou no evento há um ano pelo projeto Lab, hoje compõe o line-up dos residentes da Casa amadurecida na sua estética, identidade e emoções. Renata materializa por meio da criação, sentimentos profundos carregados de experiências pessoais e que ao mesmo tempo, representa tantas outras mulheres na condição em que o feminino é colocado dentro de suas relações. É nessa materialização que a estilista expurga suas dores e ao expô-las, é  capaz de despertar empatia de tantas outras mulheres.

"Eu pego os meus incômodos e dou a eles novos contornos, contornos mais polidos,às vezes bem humorados,eu não sofro mais com eles,eles viram material de criação,transcendem.Tudo é repertório."

 

Dando a continuidade a narrativa da coleção anterior. A SHE BROKE fala sobre você pegar os seus cacos e assumi-los como parte integrante do seu indivíduo e gostar do desenho resultante daquilo.

"A real é que somos um amontoado de fragmentos de pessoas,memórias,escolhas,somos um desenho irregular e caótico resultante dessas interações nocivas ou não."

Ela usa como matéria prima materiais de pouco valor, como o estopa, restos de tecido e as aplica em um trabalho minucioso de alta costura. No intuito poético de transformar aquilo que é dado como descarte em algo belo e digno de ser apreciado.  

 

AOckså , dirigida por Igor Crivellaro, vem se reafirmando com sua identidade bem construída em sua proposta estética íntegra e singular. O estilista anunciou sua mudança para Europa. Mas, promete manter as operações no Brasil. Sendo essa mudança, parte de um projeto de internacionalização e expansão da marca.

Igor desfila a coleção que se inicia sombria em tons escuros, mesclando-se a uma combinação um tanto ousada. Porém, muito sofisticada de verde musgo e laranja - telha, lançadas por samurais urbanos que despertaram sentidos sob o crepúsculo solar que se reproduzia pela iluminação.  Além dos  aromas de ervas exalados pelos turíbulos que defumavam a passarela, abrindo caminhos a esperança de novos ventos.

" Para proteger o corpo e sublimar o espírito "

Os óculos de sol,  que são sem dúvidas a grande aposta da próxima estação, aparecem também no desfile Också, desenvolvidos pela marca estadunidense, Karen Walker, despertando desejo imediato do público junto à linha acessórios em tyvek - tecido impermeável com textura de papel, que foi matéria prima para diversos produtos da última coleção da Också, desenvolvidos pela marca.