Regent’s Park - um parque que respira arte em Londres

Texto: Valéria Bravo Maynard
Fotos: 
Linda Nylind

Zeng Fanzhi

Zeng Fanzhi

Para quem chegou agora em Londres e perdeu a oportunidade de visitar a maior feira de arte da cidade e umas das mais respeitadas do mundo, a Frieze London - e a irmã caçula, Frieze Masters -, não se desespere. Há uma infinidade de alternativas de espaços e eventos onde é possível ainda apreciar trabalhos de vários artistas, novos ou consagrados. Entre as opções, um programa imperdível neste outono atípico em Londres, com temperaturas mais amenas e dias de sol e céu azul, é conferir a Frieze Sculputure Park. Inaugurada junto com as feiras de mesmo nome, em 05 de outubro, permanece no Regent’s Park, no coração de Londres, até 08 de janeiro de 2017.

Este é o segundo ano consecutivo em que a temporada da mostra ao ar livre é estendida por mais três meses. Para esta edição, a curadora Clare Lilley selecionou 19 esculturas de artistas de vários países. Clare classifica suas escolhas como trabalhos que gravitam “do contemplativo e efêmero ao robusto e monumental”. Segundo ela, este foi mesmo o ponto fundamental de sua curadoria: alcançar um resultado final que fosse o mais abrangente possível.

“O Frieze Sculpture Park é selecionado a partir de propostas de peças exibidas em galerias, bem como esculturas rastreadas ou solicitadas, com algumas obras feitas especialmente para a exposição. Isso significa que a seleção é diversificada em tipo, material e geração. A forma como os trabalhos são localizados e a qualidade da paisagem do English Gardens, no Regent’s Park, faz com que essa seja uma exposição coesa”, explica.

Entre as obras selecionadas, a exibição inclui, pela primeira vez num parque, um trabalho conceitual – uma peça rara de 1969, assinada pelo britânico Ed Herring. Há ainda esculturas clássicas pintadas pelo norte-americano Claes Oldenburg e pelo francês Jean Dubuffet, ao lado de um trabalho recém-criado pelo norte-americano Eddie Martinez. Já entre os visitantes, uma escultura que tem atraído muita atenção é a Monolith (Optic). Assinada pelo artista londrino Conrad Shawcross, a peça de estilo contemporâneo é feita de aço e tem seis metros de altura.

Quem quiser saber mais detalhes sobre as peças exibidas no Regent’s Park pode baixar um aplicativo na Apple Store. Disponibilizado pelo quarto ano consecutivo, o Frieze Sculpture Guide permite acesso às fotos e informações detalhadas das esculturas, além de um áudio numa espécie de tour virtual com a própria curadora, Clare Lilley.

A boa notícia é que das 19 obras selecionadas, 18 permanecem no parque até o início do ano que vem. Em 2015, apenas sete do total de 16 esculturas puderam ser vistas após o fim das feiras. Outra informação bem-vinda, agora para o bolso, é que tanto o aplicativo quanto o ingresso para o parque são gratuitos.